Nenhum produto na sacola.

Procurar
Fonte do Desejo

Fonte do Desejo

Muita gente tem dúvidas a respeito da libido. Na maioria das vezes acham que tem pouca, gostariam de ter mais e me procuram no consultório. Afinal, qual a medida do desejo? Devemos fazer sexo quando não estamos com desejo? Dá pra aumentar? Dá pra melhorar? E desejo demais? É normal? Pensar no que nos dá motivação, desejo, tesão, é muito importante. E eu espero que você comece a pensar e falar sobre isso.


Primeiro, vamos entender o que é o desejo. Ele não se limita a nossa sexualidade, é algo que está presente em nossas vidas em todos os aspectos. Nos faz levantar cedo e vibrar em direção a um anseio. É aquela força que nos empurra pra frente, para tomar decisões e fazer escolhas. Da mesma forma, dentro da sexualidade, o desejo é o início de tudo. Mas de onde vem o desejo? Como isso acontece?


Vamos rever fatores da sua vida que possam estar atrapalhando a sua libido, e com tratamentos muitas vezes simples, pode-se fazer aquela coceirinha aumentar...

- Biológico: a nossa saúde física é a engrenagem básica para tudo acontecer. Hormônios e neurotransmissores em ordem, se houver alguma doença crônica, como por exemplo hipertensão ou diabetes, deve estar controlada. Atividade física é muito importante para manter o corpo e a mente saudáveis! Cuide bem de seu corpo, pequenos atos de atenção como exercício e automassagem fazem você gostar ainda mais do seu corpo.


- Interpessoal: a qualidade dos nossos relacionamentos importa muito! Se o relacionamento não anda bem, não há estímulo para a engrenagem funcionar...Que tal conversar sobre libido com seu(a) parceiro(a)? O ato de conversar sobre seus desejos e o que você acha excitante já auxilia a libido aumentar. Você também pode falar sobre sexo com seus amigos íntimos e até estranhos. Curiosamente, estatisticamente, incluir um estranho nos contos eróticos, aumenta bastante a tesão das pessoas.


- Psicológico: ansiedade, depressão e até o estresse são um balde de água fria para o desejo como um todo, imagine o sexual... é o primeiro a sumir. Se o seu estado mental não anda bem, procure um especialista. A sua motivação de aproveitar a vida e o sexo são primordiais.


- Sociocultural: crescemos ouvindo vários mitos e tabus acerca da sexualidade, e mesmo hoje em dia, cada vez com mais informação, eles continuam nos assombrando.  Esses fantasminhas podem deixar a nossa sexualidade não muito atraente, mesmo sem percebermos.  Podemos por exemplo ter uma expectativa de que devemos ter um desempenho digno de filme pornô (o que é irreal!) e não ficarmos nunca satisfeitos. Ou então achar que o que desejamos é errado, sujo, e carregarmos uma culpa (e falta de prazer) sem a menor necessidade...


- Coisas da vida: se passamos por um momento difícil, como uma dificuldade financeira ou alguma perda de pessoa querida, o emocional fica muito abalado, é natural que o desejo fique meio de lado.

 


Certo, tudo isso coordena o desejo. Se ele anda baixo, precisamos avaliar o que não anda bem. E desejo demais, é normal? Quanto mais melhor? Claro que bastante desejo pode ser algo bem bacana para a nossa vida sexual, mas tudo tem um limite. Se gastamos tempo demais em empreitadas sexuais, sejam pensamentos, masturbação, pornografia e vários casinhos de forma a prejudicar o trabalho, a relação com amigos ou familiares e até mesmo causar sofrimento a nós e aos outros, algo não está bem! Ou seja, se há algum incômodo, alguma dúvida sobre nossa libido, seja para mais ou para menos, cabe uma avaliação com um especialista. Não espere que terceiros irão aumentar sua libido, você mesmo pode e deve olhar para ela com carinho, ter curiosidade, falar sobre, e se tiver sofrendo com ela, há muitas soluções. O desejo de melhorar já é um ótimo começo, certo?

Dra. Maria Cristina Ferrari

Autora

Dra. Maria Cristina Ferrari formou-se em Medicina pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, onde logo iniciou a residência médica em Psiquiatria. Terminada a residência, iniciou suas atividades no Hospital das Clínicas de São Paulo (HC-FMUSP) com Eletroconvulsoterapia (ECT) e a seguir no Instituto do Câncer (ICESP HC-FMUSP), onde trabalha até hoje.

Em 2015 especializou-se em ETCC (Estimulação Transcraniana por Corrente Contínua) em Harvard Medical School.

Ao longo da prática clínica descobriu que Sexualidade sempre foi sua paixão e em 2017 realizou o Aperfeiçoamento em Sexualidade Humana do PROSEX HC - FMUSP.
Desde então vem dedicando seus estudos nesta área. Atua em seu consultório com Psiquiatria Geral, Psico-oncologia, ETCC e, claro, Sexualidade.

Identificação Profissional: 120536SP
Atendimento clínico na Rua Pamplona, 145, cj 1416, Jardim Paulista, São Paulo
Para consultar-se com ela: (11) 94458-9550