Nenhum produto na sacola.

Procurar
V-de-Vagina

V-de-Vagina

Recentemente na Inglaterra, uma organização especializada em câncer ginecológico entrevistou mulheres com idades entre 16 e 25 anos e descobriu que 65% delas tinham problemas em usar as palavras “vagina” e “vulva”. Algumas até evitaram procurar a ajuda de um médico ginecologista pois achavam tudo muito constrangedor.


saúde íntima e a sexualidade ainda são um tabu no meio feminino, segundo outra pesquisa realizada com mais de 2 mil mulheres de diversos países. Além de falta de conhecimento sobre o próprio corpo, o estudo evidenciou a vergonha que muitas têm de falar sobre o assunto.


Por que temos vergonha e medo de falar da nossa Vagina?

A cartunista suéca Liv Strömsquist tenta explicar a nossa relação com a Vagina  no livro "A Origem do Mundo". Ela nos conta por meio de quadrinhos "fofinhos" e didaticamente fáceis de entender, que a vagina foi mal estudada na história da medicina, perseguida, punida, e ignorada (lembra que o funcionamento e tamanho do clítoris foi descoberto outro dia, em 1999?).





Antes disso, conforme mostra Liv, existiu adoração a genitália feminina em algumas culturas. Mas, em algum ponto, o status de divindade foi substituído pelo escárnio e pelo desconhecimento quando se fala da vagina.

Não à toa a vagina tem a alcunha de PERSEGUIDA. Antes fosse por bons motivos.

 

 

Leitura cedida publicamente  pela Cia. Das Letras: Você também pode - eu recomendo - fazer o download abaixo de parte do livro da Liv! E quem sabe comprar a versão integral para educar meninas e meninos?





No entanto, hoje temos informação suficiente para falar sobre o assunto VAGINA e poder aumentar a saúde ginecológica das mulheres. Mas como iniciar essa conversa? Há muito a ser dito, como a constituição dela, o funcionamento, a beleza única de cada uma, as cirurgias de embelezamento, as doenças comuns e incomuns, as disfunções sexuais femininas, o direito de dar prazer a si mesma e a decisão sobre reprodução.


Vamos falar muito de tudo isso, vamos começar com uma dúvida recorrente, que deve ser esclarecida  para educar crianças, parceir@s sexuais, nossos amigos e mesmo nossa família!?

 

Vejam no vídeo abaixo, caso real, em que uma ginecologista e uma política foram penalizadas por usarem a palava VAGINA. 

 




Jout Jout é clara e direta:


Entenda que a sua vagina, a sua saúde e bem-estar são direitos seus!


Cintia Klein: Fundadora de V-LOV

Autora

Bem-vindos! Muito prazer.

Venho aqui cheia de energia para melhorar a minha vida, e a sua vida.

Antes disso, tive que resolver uma questão de assédio no trabalho, que me causava enorme sofrimento, e enfim sair do papel de vítima e assumir as rédeas da minha carreira.

Para chegar aqui, precisei reunir muita coragem para me demitir e findar este capítulo.

Saí de cabeça erguida, num dia de avaliação de desempenho. O primeiro feed-back da avaliação era sobre minha participação em uma reunião, que gerou reclamação de um Diretor. Entendi claramente que eu não "podia discutir estratégias com Diretores."

Foi um choque! E a gota d'água. Justamente porque durante um ano eu estava sendo treinada para manifestar mais a minha voz.
O meu mentor, um excelente executivo desta mesma empresa, VP de Marketing da Inglaterra, havia me incentivado a falar mais nas reuniões estratégicas, inclusive, havia me inscrito num curso de Liderança, exatamente para praticar falar em público e em reuniões. Foi duro fazer aula de teatro em inglês, com outros colegas da empresa, e aprender a expor minha voz. E ao mesmo tempo, percebi que a minha voz era digna de respeito e tinha a sua valia.

Naquele dia caiu a ficha: ali, eu não poderia ter voz. A minha experiência, e as minhas entregas durante 3 anos, como responsável pelo marketing da empresa no Brasil não eram relevantes de maneira suficiente, eu teria que me calar ou concordar com as estratégias de alguns poucos executivos - incompetentes para suas atribuições profissionais e desrespeitosos como ser humano.

Assim nasceu a V-LOV, uma nova empresa atuante no mercado de saúde íntima e bem-estar feminino, para que mais mulheres possam obter a escuta nas relações de trabalho e afetivas.

Te convido a aprender mais sobre saúde, bem-estar e cuidado íntimo. Aqui o leitor tem voz, você pode dar a sua opinião. Eu trouxe informações de especialistas em campos complementares, incluindo correntes de pensamento e teorias que podem ser vistos como complementares e até mesmo divergentes em alguns aspectos. Utilize aquela que se aplica mais a você.

A diversidade de crenças é permitida e estimulada, você pode repensar, concordar, discordar, ter dúvidas e até nos questionar. O diálogo é vital para a melhoria de nosso relacionamento. O valor de trabalho na V-LOV é o respeito as opiniões diversas.

Nossa atividade principal é cuidar de você de maneira holística, nossa meta diária é se conectar, pesquisar, selecionar e analisar novos estudos, serviços e produtos para aumentar o seu V-LOV, provendo dicas práticas, materiais educativos e de entretenimento. Uma boa parte deles estará disponível na sua conveniência, com discrição e acesso gratuito. Aproveite!

Abraços,
Cintia Klein