Nenhum produto na sacola.

Procurar
Papo sério: Câncer

Papo sério: Câncer

Mulheres, só usar cor de rosa em outubro não é suficiente.

 

Independentemente da sua religião ou explicação para as doenças e sofrimento físicos e emocionais que passamos, acho importante nos tornarmos de maneira quase parental, cada dia um pouquinho mais conscientes do que podemos fazer para cuidar da pessoa que mais amamos, nós mesmas.

 

Uma amiga uma vez me falou:  temos muito a agradecer e a culpar nossos pais na adolescência. 

 

Na fase de maturidade emocional, temos a incrível oportunidade de ser - para nós mesmos - aquele pai ou mãe, que gostaríamos de ter tido (carinhoso/participativo/compreensivo/gentil etc.). Você tem que completar esta lacuna.

Por exemplo:  Se você queria que fossem mais amorosos com você, seja você, aquela voz amorosa e tolerante consigo. Se queria que eles fossem menos críticos, faça-o agora.  Ser mais amável consigo, por exemplo, é um enorme desafio para muitos de nós.

Cuidar de si não é mole não gente. É um desafio para a vida to-da cuidar e amar a minha "filha interior" que chamo de pequena Cintia. Às vezes sou chamada para defender ela na reunião da escola. Hoje ela não recebe notas, mas recebe acusações, faturas, contas, críticas, feedbacks negativos e também elogio, atenção, conquistas, presentes, amor.

Está claro: na fase adulta somos responsáveis pelo cuidado conosco (ou falta de cuidado, flagelo e negligência).

Tendo falado sobre responsabilidade e oportunidade, cito a Dra. Valentini de Melo, mastologista experiente em conscientização das mulheres na saúde pública. Ela escolheu a missão profissional e pessoal de liderar projetos para detecção precoce de câncer de mama.

E mais empolgante ainda minhas amigas, ela vais nos aconselhar sobre prevenção primária dessa enfermidade! Leia com atenção e me diga se você vai perseguir um pouquinho mais, se conectar com seu autocuidado, pode ser?


Outubro Rosa: Autocuidado consciente ajuda na prevenção

Por Dra. Patrícia Valetini de Melo

 

Neste Outubro Rosa, vou contar um pouco sobre a minha vivência em relação ao câncer de mama. Quem me conhece sabe como já me dediquei à conscientização das mulheres sobre esse problema de saúde pública, que é o câncer de mama. Há 25 anos, como mastologista, faço um trabalho de alma por essa causa. Desses, pelo menos 10 anos foram dedicados a projetos sociais (2 patrocinados pela Avon e 1 pela ONG Americana Suzan Komen for the Cure), fóruns de saúde das mamas para leigos e profissionais de saúde, aulas em comunidades, hospitais, empresas, campanhas “Fique de Olho” e “Toque seus Peitos”, “Outubro Rosa”. Tudo isso sempre visando a importância da detecção precoce, que ainda é a maior arma para diminuir as taxas de mortalidade. 

 

Mas o meu maior sonho sempre foi a prevenção primária e poder anunciar para os quatro cantos do mundo como realmente impedir a doença de aparecer. Por isso, há pelo menos 9 anos, mudei meu foco e comecei a me interessar por uma nova forma de fazer medicina e, desde então, aprendi muito com a medicina funcional, nutrição funcional, fitoterapia, ciências da fisiologia humana e longevidade saudável e saúde integrativa. Foi preciso mudar de paradigma, mas hoje posso afirmar que existem muitos caminhos que levam a realização do meu sonho em um futuro próximo.

 

Somente 5 a 10% dos casos de câncer de mama são hereditários. Então, 90 a 95% dependem de como escolhemos viver. Isso é explicado pela EPIGENÉTICA, que estuda a influência do meio externo sobre os nossos genes. A chave da prevenção está na escolha do equilíbrio físico, mental, emocional e espiritual. Todas essas dimensões afetam a nossa expressão gênica e, quando em desequilíbrio, podem gerar mudanças no funcionamento das células, potencializando o aparecimento do câncer.

 

Autocuidado consciente

 

Além da conscientização da importância da mamografia e exame clínico, é muito importante motivar as mulheres a se cuidarem. Precisamos nos sentir importantes e valorizadas, e desenvolver amor-próprio. O autocuidado consciente inclui:

1 - Corrigir alimentação - diminuir gordura saturada, carboidratos simples, alimentos processados e ultraprocessados (ricos em açúcares e xenobióticos - químicos);

2 - Evitar o SEDENTARISMO, fazendo pelo menos caminhada diária; 

3 - Controlar o peso (obesidade e sobrepeso aumentam risco);

4 - Adequar o sono (momento de reparo e restauração celular);

5 - Técnicas e estratégias de manejo de estresse (1 minuto de silêncio por dia, resgatar a sensação de prazer em fazer algo de que gosta muito);

6 - Buscar autoconhecimento, aproximar-se da sua essência, olhar para dentro e não para fora; 

7 - Desenvolver a espiritualidade, a fé; 

8 - Diminuir o consumo de álcool; 

9 - Não fumar;

10 - Praticar o autoconhecimento das mamas (saiba o que é normal para você!);

11 - Fazer os exames de rotina;

12 - Conheça o seu risco.

 

Só os itens 1, 2 e 3 diminuem 28% do risco para câncer de mama e 40% de recidiva. É importante enxergar o indivíduo como um todo, SEMPRE! Trabalhar com propósito nos aproxima de nós mesmos e isso tem um sentido. Juntos sempre somos mais fortes.



Dra. Patricia Valentini de Melo

Idealizadora da Choice Medicine, é formada pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo e especialista em mastologia, ginecologia e obstetrícia.


Choice Medicine

Endereço: Rua Joaquim Floriano, 466 - cj 314

Brascan Century Office - Itaim Bibi - São Paulo

Telefones: (11) 2165-1077 / (11) 94276-3154

E-mail: choice@choicemedicine.com.br

Veja o perfil completo aqui


Cintia Klein: Fundadora de V-LOV

Autora

Bem-vindos! Muito prazer.

Venho aqui cheia de energia para melhorar a minha vida, e a sua vida.

Antes disso, tive que resolver uma questão de assédio no trabalho, que me causava enorme sofrimento, e enfim sair do papel de vítima e assumir as rédeas da minha carreira.

Para chegar aqui, precisei reunir muita coragem para me demitir e findar este capítulo.

Saí de cabeça erguida, num dia de avaliação de desempenho. O primeiro feed-back da avaliação era sobre minha participação em uma reunião, que gerou reclamação de um Diretor. Entendi claramente que eu não "podia discutir estratégias com Diretores."

Foi um choque! E a gota d'água. Justamente porque durante um ano eu estava sendo treinada para manifestar mais a minha voz.
O meu mentor, um excelente executivo desta mesma empresa, VP de Marketing da Inglaterra, havia me incentivado a falar mais nas reuniões estratégicas, inclusive, havia me inscrito num curso de Liderança, exatamente para praticar falar em público e em reuniões. Foi duro fazer aula de teatro em inglês, com outros colegas da empresa, e aprender a expor minha voz. E ao mesmo tempo, percebi que a minha voz era digna de respeito e tinha a sua valia.

Naquele dia caiu a ficha: ali, eu não poderia ter voz. A minha experiência, e as minhas entregas durante 3 anos, como responsável pelo marketing da empresa no Brasil não eram relevantes de maneira suficiente, eu teria que me calar ou concordar com as estratégias de alguns poucos executivos - incompetentes para suas atribuições profissionais e desrespeitosos como ser humano.

Assim nasceu a V-LOV, uma nova empresa atuante no mercado de saúde íntima e bem-estar feminino, para que mais mulheres possam obter a escuta nas relações de trabalho e afetivas.

Te convido a aprender mais sobre saúde, bem-estar e cuidado íntimo. Aqui o leitor tem voz, você pode dar a sua opinião. Eu trouxe informações de especialistas em campos complementares, incluindo correntes de pensamento e teorias que podem ser vistos como complementares e até mesmo divergentes em alguns aspectos. Utilize aquela que se aplica mais a você.

A diversidade de crenças é permitida e estimulada, você pode repensar, concordar, discordar, ter dúvidas e até nos questionar. O diálogo é vital para a melhoria de nosso relacionamento. O valor de trabalho na V-LOV é o respeito as opiniões diversas.

Nossa atividade principal é cuidar de você de maneira holística, nossa meta diária é se conectar, pesquisar, selecionar e analisar novos estudos, serviços e produtos para aumentar o seu V-LOV, provendo dicas práticas, materiais educativos e de entretenimento. Uma boa parte deles estará disponível na sua conveniência, com discrição e acesso gratuito. Aproveite!

Abraços,
Cintia Klein