Nenhum produto na sacola.

Procurar
Há vida sexual na 3ª  idade

Há vida sexual na 3ª idade

Hoje vamos abordar sexualidade na terceira idade. Cerca de 90% dos casais na faixa etária de 60 a 64 anos são sexualmente ativos. No entanto, esses números caem brutalmente com o avançar dos anos. Ao chegar aos 80 anos, apenas 29% dos homens e 25% das mulheres continuam com a vida sexual em dia.

 

Para alguns, a idade avançada é um período de liberdade, em que há menor pressão com o trabalho e com as obrigações do dia a dia. E isso pode contribuir positivamente para a vida sexual. Para outros, é um momento de não se importar tanto com a atividade sexual e buscar outras formas de companheirismo e compartilhamento interpessoal.

 

De um modo geral, com o avançar da idade podem surgir algumas disfunções sexuais, entre elas uma dificuldade maior na excitação (resposta mais lenta), disfunção erétil masculina, conhecida como impotência (relacionada, principalmente, a doenças como hipertensão e diabetes), desejo hipoativo (perda da libido) e dispareunia (dor à relação sexual) devido ao ressecamento vaginal.

 

A diminuição do desejo e as disfunções sexuais podem estar relacionadas tanto à queda dos níveis do hormônio testosterona quanto a doenças como diabetes, que prejudica a circulação sanguínea, ou depressão, que contribui para perda de autoestima e falta de disposição, além do uso de medicações para controle de doenças crônicas que apresentam efeitos colaterais. Pode também ocorrer vergonha do corpo e mesmo a perda da intimidade sexual com o parceiro com passar dos anos.

 

Mas, por que se manter sexualmente ativo? Estudos mostram que homens que têm mais de dois orgasmos por semana têm índices de mortalidade mais baixos. Esses números demonstram uma correlação entre atividade sexual e longevidade, mas não provam que o sexo prolonga a vida. O que provavelmente ocorre é que as pessoas que estão bem e saudáveis tendem a se envolver mais em atividades sexuais. Ou seja, saúde física, psíquica e intelectual estão relacionadas e para se manter engajado sexualmente, é necessário que a saúde como um todo esteja bem.

 

Além disso, além de promover o bem-estar, a atividade sexual contribui para a manutenção de uma autoestima elevada e o espírito jovem!

 

É importante salientar que não há problema algum quando o idoso está sexualmente inativo e se sente feliz e pleno desta maneira. Mas, quando desejar retomar ou aprimorar a sua vida sexual, algumas medidas podem ser tomadas:

 

1.    É importante estar com a saúde em dia. Realize exames preventivos e mantenha bom controle das doenças crônicas. É recomendável o acompanhamento com um geriatra, cardiologista, ginecologista ou urologista;

 

2.    Para as mulheres, no caso de secura vaginal, um tratamento médico será essencial para evitar dor ou lacerações durante a penetração. São indicados lubrificantes à base de água ou creme vaginal com estrogênio, caso a paciente não apresente contraindicações;

 

3.    Se houver diminuição do desejo, é possível utilizar medicações, como o hormônio testosterona ou outros, sempre com avaliação médica;

 

4.    Atente aos medicamentos que podem prejudicar o seu desempenho sexual. Converse com o seu médico se há possibilidade de substituí-los por outros que não interfiram ou que ajudem na função sexual. Deixe-o saber que a atividade sexual é importante para você;

 

5.    Muitos homens hesitam em ir ao médico, mas principalmente no caso de dificuldade de ereção, o tratamento pode ser simples. Adiar a avaliação médica só prolongará o sofrimento. Nesse caso, o médico mais indicado é o urologista, que saberá identificar doenças ou medicações que podem interferir na função sexual e oferecerá o tratamento mais adequado.

 

6.    No caso de sintomas depressivos ou ansiosos, é importante passar por avaliação psicológica e psiquiátrica;

 

7.    Caso não haja contraindicações, a prática de atividade física regular, tanto aeróbica quanto a musculação e alongamento, é muito benéfica. Melhorar o condicionamento físico, aumentar a massa muscular para prevenir lesões e aumentar a flexibilidade ajudam na hora da atividade sexual.

 

Estando com a saúde em dia, para melhorar a vida sexual de um modo geral, o segredo é estar disposto, ser flexível e capaz de adaptar-se às mudanças impostas pelo envelhecimento. Algumas dicas podem ajudar nesse processo:

 

1.    Autoestimulação: é a melhor forma de se conhecer e de ficar à vontade com o próprio corpo. Algumas pessoas podem apresentar alguma resistência por questões culturais, mas a questão de ser flexível e ser capaz de adaptar-se começa aí!;

 

2.    Desacelere: perceba que a excitação sexual demora mais e requer mais estimulação manual, tente controlar a ansiedade!;

 

3.    Aproveite ao máximo as preliminares. Muitas vezes não é necessário chegar à penetração para a obtenção de prazer. Isso vai tirar a pressão por desempenho;

 

4.    Comunique-se: compartilhe o que faz você se sentir bem com seu parceiro;

 

5.    Aproveite todos os órgãos dos sentidos: explore a habilidade tátil, visual, auditiva e até mesmo olfativa;

 

6.    Reserve um momento para preparar uma experiência especial - experimente iluminação, música, velas, óleos, perfumes e incenso. Tente um novo lugar.

 

Se você estiver interessado em ser sexualmente ativo, com ou sem envolvimento na relação sexual, e as sugestões acima não forem suficientes para ajudá-lo a atingir o nível de atividade que você deseja, peça ajuda. Seu médico urologista ou ginecologista pode ajudá-lo (a) ou encaminhá-lo (a) a um terapeuta sexual. Não caia na armadilha de pensar que o sexo é apenas para os jovens. A sexualidade tem a ver com quebrar estereótipos, comunicação aberta, escolhas individuais e embarcar em um caminho de autodescoberta maravilhosa.

 

 

 

 

 

 

 

Drª Nelly Kobayashi

Autora

Dra. Nelly Kim Ami Kobayashi
CRM-SP 129.368

Formada pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FM-USP) com especialização em Ginecologia e Obstetrícia pelo Hospital das Clínicas da FM-USP.

Possui Título de especialista em Ginecologia e Obstetrícia (TEGO) pela Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO).

Especialização Master em Sexologia pela Universidade de Pisa, na Itália, em 2013. Atuou como médica colaboradora no setor de sexualidade no Departamento de Ginecologia do Hospital das Clínicas da FM-USP.

Atualmente é médica da Clínica VidaBemVinda e pós-graduanda em Sexualidade Humana pela FM-USP.